A história cartografia no Brasil

anterior a 1900

1500-1900

1890 - 1899

1519 Primeira representação cartográfica do país,considerado primeiro mapa econômico do Brasil.Século XVII ,Mapeamento de grande parte da Amazônia com a necessidade de ocupação da costa leste-oeste do Brasil.Século XVIII. Elaboração de vários mapas – sínteses como a carta da Nova Lusitânia, traçada por Silva Pontes em 1798, tal mapa apresentava uma riqueza de nomenclaturas dos rios e serras e locais habitados.Destacam-se nesse século, primeira organização oficial de cartografia no Brasil (1825), Comissão da Carta Geral do Império (1830-1878), Imperial Comissão Geológica (1874) e a Comissão Geográfica e Geológica de São Paulo (1886) que deram inicio dos levantamentos com operações de triagulação.Século XIX,Fim do período imperial(1889), inicio da primeira republica.Criação de importantes instituições cartográficas como o Serviço Geográfico Militar.

décadas

1900

1900 - 1909

Produção de cartas na escala 1:100 000 pela comissão de Geográfica e Geológica de São Paulo que deram base para primeira carta oficial do estado de São Paulo na escala 1:1 000 000

1910

1910 - 1919

http://rlv.zcache.com.br/isapi/designall.dll?rlvnet=1&realview=113381087925757000&design=b386529f-34aa-4dac-85e3-e62ebaf9bf93&size=%5B14.0000%2C11.0000%5D&media=value_posterpaper_matte&pending=false&pdt=zazzle_print&hide=bleed%2Csafe%2CvisibleMask&r=1367277035797&max_dim=512
Necessidade mundial para a elaboração de um mapa mundial,reforçada durante a primeira guerra mundial ,com esse acontecimentos em 1914 ocorre a primeira operação estereofotogramétrica realizada, no Brasil, pelo Exército.Levantamento da Carta Topográfica do Distrito Federal, na escala 1: 50.000

1920

1920 - 1929


Edição da Carta do Brasil na escala 1:1 000 000 ,essa carta foi desenvolvida na Alemanha no momento em que a fotogrametria dava seus primeiros passos no Brasil. Vários estados de manifestaram nessa época para realizar levantamentos para gerar representação de seus possíveis territórios, entre elas a Reinhad Maack - Wald und Savanne in Staate Parana, na escala 1: 1.975.000. Porém tais áreas levantadas eram muito limitadas, pois tal processo era muito dificultado devido a penetração nas florestas do país,formam-se grupos de trabalho que envolvia até mil homens entre chefe de expedição, topógrafos, radiotelegrafistas, mateiros, e auxiliares, realizavam expedições que duravam de sete e nove meses, com grande desgaste físico e até perda de integrantes.Criação da primeira Comissão brasileira demarcadora de limites, marcando o surgimento de uma cartografia documentária, que tinha o objetivo de demarcar as áreas das fronteiras.

1930

1930 - 1939


Inicio da ‘’era vargas’’ no Brasil, destacaram-se nessa época o fim do período de funcionamento da Comissão Geográfica do Estado de São Paulo, que virou Instituto Geográfico e Geológico Militar (1930); a fusão do Serviço Geográfico Militar, constituindo o novo Serviço Geográfico do Exército (1932); o Serviço Geológico e Mineralógico do Brasil, transformado em Departamento Nacional de Produção Mineral – DNPM. Também ocorre a criação do Instituto Nacional de Estatística, o atual IBGE (1934), dando início ao processo de fusão das atividades estatísticas e cartográficas.Visando a necessidade de se formar profissionais para a cartografia foi criada a Escola de engenheiros Geógrafos Militares e em 1931 o instituto de geografia militar passa a se chamar escola de geógrafos.E em 1938 surge a primeira empresa privada no mercado brasileiro dedicada á execução de levantamentos aerofogramétricos.

1940

1940 - 1949


A escola de geógrafos do militar incorporara-se a escola técnica do Exercito e criam-se cursos de Geodésia e topografia.Na primeira reunião Pan-Americana de Consulta sobre Geografia e Cartografia,foram apresentados uma evolução da aerofotogrametria que foram aplicados a operações militares e com o fim da guerra tais equipamentos seriam utilizados para o mapeamento de regiões ainda desconhecidas.E na segunda reunião Pan-Americana indicou-se a adoção preferencial e intensiva do método aerofotogramétrico, e afim de atender tais resoluções do congresso foi criado o Serviço de Geografia e Cartografia no IBGE. Também foi realizado o primeiro levantamento aerofotogramétrico do território brasileiro pelo sistema Trimetrogon, pela Força Aérea dos Estados Unidos (USAF). Esse material contribuiu para o mapeamento de áreas até então não mapeadas na escala 1:1.000.000. E em 1946 e 1951 o país é comandando por pelo General Eurico Gaspar Dutra.

1950

1950 - 1959


Em 1951 Getulio volta a presidência e são criados várias companhias e ministérios entre tais a Petrobras, vale do rio doce e a Diretoria do Serviço Geográfico – DSG, e em 1954 encera-se a ‘’era vargas’’,e em entre 1956 e 1961 Juscelino Kubitschek comanda o país.Os anos 50 foram marcados pelos comentários e interpretações de mapas temáticos, além do surgimento de instrumentos estereoscópicos de funcionamento automático de boa precisão entre eles o estereotopo.Durante o mandato de Juscelino começaram a ocorrer encontros anuais com o objetivo de preparar e formar novos profissionais para a cartografia, com o tal propósito é criado o Curso de Engenheiros Geógrafos na Escola Nacional de Engenharia no rio de janeiro e o IBGE passa a ofertar cursos para professores universitários e geógrafos .Também foram organizadas as seguintes instituições voltadas à cartografia: Fundação da Sociedade Brasileira de Cartografia (1958); Comissão Especial de Levantamento do Nordeste (CELNE). Quanto aos produtos e técnicas cartográficas, o Serviço Geográfico do Exército adota o sistema UTM em 1956 e o IBGE faz a aquisição do primeiro instrumento restituidor – o Estereotopo – Zeiss.

1960

1960 - 1969


Em 1960 foi editado pelo conselho nacional de geografia, a carta do Brasil ao milionésimo na escala 1:1 000 000 e apresentada em 46 folhas. Tal carta foi fundamental na pesquisa geográfica no ensino escolar e passou a ser instrumento para auxiliar no planejamento dos trabalhos geodésicos e topográficos, nos levantamentos terrestres e aerofotogramétricos e nos trabalhos de engenharia.Em 1961 é proposto a criação do conselho nacional de cartografia (CONCAR). Em 1964 o IBGE estrutura e consolida a linha de instrumentos fotogramétricos, Nesta época o Brasil adquire as fotografias aéreas na escala de 1:60.000 de todo o país, exceto da Amazônia. Em 1965 é criado o curso de Engenharia Cartográfica na Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E no final da década ocorre a transformação da Comissão Especial de Levantamento do Nordeste em Terceira Divisão de Levantamento (DSG), a introdução de tecnologia do Sensoriamento Remoto no INPE e o primeiro Museu Cartográfico do país.

1970

1970 - 1979

https://encrypted-tbn1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRzjhk1Ch2D1KbOSjvuk-wZ4H8Q9TeGjTRH9pA8genyOIsuznyO
São criados o Departamento de Cartografia ( DECART), no IBGE e a Sociedade Brasileira de Cartografia, e passa-se a utilizar no Brasil o Sensoriamento Remoto ativo de RADAR de Visada Lateral. Em 1977 ocorre a implantação de uma nova estrutura no IBGE. Para intensificar o mapeamento sistemático brasileiro, foi criado o Plano de Dinamização da Cartografia - PDC/78, visando a cobertura plena do território na escala de 1:250.000 e o incremento da cobertura na escala 1:100.000, nas regiões Centro-Oeste e Nordeste e em parte das regiões Sudeste e Norte, na escala 1:50.000, nas regiões Sul e parte do Sudeste e Nordeste, e na escala 1:25.000, em capitais estaduais. O Projeto RADAM ( Radar da Amazônia) inicia a aplicação pioneira de sensores radares aerotransportado.

1980

1980 - 1989


No inicio da década foram intensificas as atividades cartográficas sob a organização do Programa de Dinamização da Cartografia (PDC), enfatizando o mapeamento em escalas topográficas de vastas regiões da Amazônia. Também foram complementadas as folhas das cartas nas escalas de 1:50.000 e 1:100.000 das regiões Centro-sul e Nordeste.Nesse período começa o desenvolvimento do sensoriamento remoto no Brasil.Na segunda metade da década se encerra os governos militares e inicia-se o mandato de José Sarney. A atuação das instituições cartográficas bem como a política cartográfica que já vinha sendo conduzida de modo lento, nos governos do período anterior, pouco mudou.No ano de 1985, 98,9% do território brasileiro encontrava-se mapeado.

1990

1990 - 1999

https://encrypted-tbn3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcT3gWx2AboDz-wPBw4FCVN5tSJCEsfgCPj2RG0aftdnI4h8VaXK
No governo de Collor iniciou-se a absorção de novas tecnologias na produção cartográfica voltados para á formação e atuação do cartógrafo.Sob o comando de Itamar Franco o IBGE elaborou normas para levantamentos GPS,e em 1994 o governo criou a Comissão Nacional de Cartografia (CONCAR).E No governo de Fernando Henrique Cardoso foi criada a Comissão de Cartografia Militar - COMCARMIL com a finalidade de coordenar as atividades de cartografia de interesse militar em território nacional.

2000

2000 - 2009


Ocorre a elaboração do planejamento estratégico pela comissão nacional de cartografia, sob o governo de Luis Inácio. O Brasil encontra-se totalmente mapeado apenas na escala 1:1.000.000(concluído na década de 60), 81% na escala 1:250.000, 75% na escala 1:100.000, 14% na escala 1:50.000 e 1% na escala 1:25.000.destaca-se a grande novidade tecnológica trazida pelos Censos 2007 (Contagem da População e Censo Agropecuário), com a substituição do tradicional questionário em papel pelo computador de mão que proporcionou ganhos na precisão da informação e na agilidade no seu processamento. Os dispositivos equipados com sinais GPS permitem georreferenciamento de todas as unidades de coleta nas áreas rurais e dos estabelecimentos agropecuários, de saúde e de educação.

2010

2010


O avanço da tecnologia, a cada momento surgem novas fontes de dados para geração de produtos cartográficos bem como softwares voltados à cartografia digital verifica-se a necessidade de preocupações especificas voltada à formação de profissionais.